12.8.11

Ao meu lado

Estico-me em minha confortável cama. Sinto as minhas pernas doerem e, me estico outra vez. Apoio minha cabeça ao travesseiro e o abraço fortemente, querendo fechar os olhos para descansar. Não consigo. Viro-me para o outro lado e meu olho bate ao relógio: 4:45 da manhã. E nada de sentir um profundo sono para sonhar como sempre. Abraço mais ainda o travesseiro e minhas pálpebras se fecham. E nada. Volto à mesma posição em que estava, mordo os lábios com força e aperto os olhos. E resolvi ficar parada. Em vez do sono chegar, uma vontade forte para chorar chega aos poucos, fazendo uma lágrima cair bem devagar, minha pele cheia de sardas arde, me fazendo limpar rapidamente. E não consegui me segurar: comecei a chorar. E fiquei por bastante tempo. Aos poucos, meus olhos estavam pesados, meu corpo se amolecia e, sem menos imaginar, dormi até o dia seguinte...


E acordei. Espreguicei-me, sentindo-me ainda um pouco mal. Olhei para o relógio: 08:05 da manhã. Mal havia descansado, ainda sentia muito sono. E continuei deitada mas, dessa vez, enrolei-me com meus cobertores e ali fiquei. Olhara para a janela e percebi que já havia o sol. Preguiçosamente, levantei e a abri. O sol forte ardia meus olhos e bati com força a janela. Na hora em que eu voltava para me deitar, o meu celular tocara. Levei um susto e me sentei com uma bela força. Virei para trás o celular estava vibrando. Assustadamente, corri para pegá-lo mas, não havia identificado o número. Resolvi atender. E minha voz estava um lixo, tremida:
- Alô? - dei uma forte tossida e engoli em seco.
A pessoa não havia falado nada mas, eu só conseguia ouvir uma respiração muito profunda. Achei estranho e insisti de novo, dizendo um pouco mais ingênua:
- Alô, tem alguém aí? - e acabei bufando de raiva.
- Hã... oi. Tudo bem com você, querida? - a pessoa tinha uma grossa e bela voz.
- Sim... mas quem está falando comigo?
- Você sabe quem é. Você me conhece, querida. Sou alguém que lhe ama, sabia?
Meu coração acelerou do nada, senti algo horrível: 'quem será essa pessoa? de onde ela me conhece? ' Mil e uma perguntas vieram em meu pensamento. Mas, eu havia parado de pensar quando a bela voz havia falado:
- Você ainda está aí?
- Claro, estou sim. Acho que já sei quem você é: um admirador secreto.
Uma risada alta e engraçada foi a primeira coisa em que fizera. E, em seguida, respondeu:
- Meus parabéns anjo! Você está começando a ser esperta. Continue...
- É bom saber disso. Agora, me diga o que você sabe sobre mim. Sem detalhes.
- São apenas os detalhes que podem definir você. Sem eles, eu não consigo lhe dizer nada.
- É melhor deixar quieto. Será que agora você pode me falar quem é você? Por favor!
- Ainda não é a hora de dizer. Tenha paciência...
- Já que você diz que sabe tanto assim sobre mim, diga-me o que estava fazendo.
- Eu consegui lhe ver pela janela e, como você é bela, querida.
- Obrigada... - havia ficado sem graça pelo elogio.
- Não precisa agradecer, você sabe muito bem disso. Sua beleza é maravilhosa. Seus grandes cabelos lisos de cor mel... sua pele branca e sardenta... e seus grandes olhos azuis. Você não é linda à toa. Tem um bom motivo para isso, meu bem.
- Ah... como sabe que sou assim? Você já me viu antes?
- Sim, hm, provavelmente há 3 horas atrás, quando você abriu a janela...
- Espere! Você está aqui, em frente à minha casa?
- Abra de novo a janela e descubra com quem você estava falando este tempo todo, Pruff.
- Como é que você sabe meu... - ele havia desligado o telefone na minha cara.
Fiquei irritada e aos poucos, abri a janela e, conseguia ver uma mão com o celular. Empurrei a mesma e na hora em que vi, eu não acreditava: meu admirador secreto era William, o meu melhor amigo. Ficara paralisada e, vendo minha reação, disse:
- Pruff, não vai querer me dar um abraço? - e sorriu em seguida.
Joguei meu celular em minha cama, calcei rapidamente meus chinelos e, desci às escadas correndo, chegando a levar pequenos tropeções. Abri a porta e sorri para ele. Corri até o mesmo e estava ocupada, abraçando-o.



3 comentários:

  1. Gostei muito da sua história, simples, delicada, e que expressa uma suavidade verdadeira. Parabéns, voltarei aqui mais vezes.

    ResponderExcluir
  2. Ameeei tudo aquii; perfeito *-*
    Olha lá meu novo blog.:
    just-a-girl21.blogspot.com
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo! Realmente, um texto leve e fofo!

    Beijinhos!

    Mariana Sampaio
    Blog Tijolinhos de Papel

    ResponderExcluir