22.10.11

Sobre começar...


Se você perguntar se eu estou nervoso eu vou dizer com toda a certeza que sim.
Ignorando este fato, partemos para minha primeira crônica no ‘Contando Histórias’.

Começar é uma coisa complicada. O começo por si só é uma palavra complicada. Você, por exemplo, deve saber muito bem como é isso: o primeiro dia de aula; o primeiro dia de trabalho; o primeiro minuto depois que o despertador toca; a primeira gota de água que cai do chuveiro – ela é sempre gelada!; a primeira crônica para um blog que não é seu...

Eu gostaria de pular o começo, mas é impossível fazer qualquer coisa sem que antes se comece, bem como é impossível chegar à exatidão sem que antes cometa-se erros, ou beber um pouco d’água até que se aprenda nadar.

Como sempre fui um cara tímido, na minha, não muito social ou sociável, era realmente difícil encarar os começos então eu me precavia de todas as maneiras possíveis.

Antigamente, por exemplo, sempre pouco antes de sair de casa para enfrentar o primeiro dia de aula, eu ensaiava um começo. Ensaiava a minha voz para que ela não saísse fina demais, nem tremida demais, nem entrecortada demais; ensaiava o quê eu iria falar com a minha voz e ensaiava até o jeito que eu andava. Eu também costumava testar meu melhor penteado e uns cinco dias antes eu tentava não beber gelado, não ficar acordado até a meia-noite e fazia alguns exercícios físicos, como polichinelos e levantamento de peso com sacos de feijão.

Mas, sabe de uma coisa caro leitor? Com o tempo larguei mão de tudo isso. Não adiantava! A minha voz sempre ia sair trêmula e mais fina do que era, eu sempre ia andar meio torto mesmo e os exercícios físicos... bem, polichinelos e sacos de feijão? Sério?

Hoje em dia não finjo um começo, eu só o encaro e aceito que posso errar até chegar à exatidão como falei ali em cima. Esses tais começos são difíceis mesmo, mas, eles são o nosso primeiro degrau, o nosso primeiro passo. Devemos saber que podemos realmente acreditar neles, assim como devemos saber que a batata frita que fazemos em casa jamais será igual à do McDonald's!

Foi de começo em começo, aliás, que cheguei aqui, onde começo outra vez. Não sei se comecei com as palavras certas, mas fiz o que achava que tinha de fazer: encarar esse tal  de começo!, por isso falei dele.

Passado o começo e feliz da vida por isso, volto com mais uma crônica, na próxima semana, acredite, 'rebentano' como pipoca na panela!

Até lá.

4 comentários:

  1. Muito bom, eu tenho pavor de começar as coisas. Por isso procrastinação é meu nome do meio. Vivendo e aprendendo né?!
    Beijokas
    Jeh
    http://starbucksandbooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Legal, ótimo jeito de começar, falando sobre nada mais nada menos que o próprio começo. Muito bom, mesmo ;)

    Aguardo sua próxima crônica !

    Bj;*
    Naty - Just Books !

    ResponderExcluir
  3. Graças a Deus eu nunca tive problemas com primeiros dias, eu sempre encarei tudo com uma calma anormal(sério, eu acho que isso realmente não é normal).
    Estou aguardando sua crônica Elton =D

    ResponderExcluir
  4. haha! Seja bem-vindo, não se acanhe. É isso mesmo, não há porque ficar nervoso, o começo já passou!rsrs

    Beijos.

    Mariana Sampaio
    Blog Tijolinhos de Papel

    ResponderExcluir