22.11.11

Autores: Machado de Assis

Acredito que se Machado de Assis vivesse ainda hoje e escrevesse na atualidade, pouco seria reconhecido. Levou tempo para descobrir a genialidade de um dos maiores escritores do mundo, e sua importância para a literatura nacional.

O que surpreende em se tratando deste autor, é sua história. Machado era carioca, mulato, pobre, e sem muita instrução - nunca nem chegou a frequentar a faculdade - porém era inteligentíssimo, influenciou muitos outros escritores e é fundamental na literatura brasileira.

Ele também era um escritor completo - poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, crítico literário - e suas obras surpreendem pelo pensamento adiantado no tempo, meste dos "mistérios literários". Seus livros levantam perguntas que apesar de muito estudos, não foram respondidas até hoje. Confira alguns títulos importantes.

"Machado de Assis (1839-1908), escrevendo Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de "olhos oblíquos e dissimulados", de "olhos de ressaca", Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje indecifrado. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas o esmiuçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída, um labirinto que Machado também já explorara em personagens como Virgília (Memórias Póstumas de Brás Cubas) e Sofia (Quincas Borba), personagens construídas a partir da ambigüidade psicológica, como Jorge Luis Borges gostaria de ter inventado."



"A ambigüidade da alma humana e o convencionalismo das relações sociais em dez grandes contos"

Um dos contos mais conhecidos deste livro é A Cartomante, historia de Vilela, Camilo e Rita, um triângulo amoroso. A historia começa numa Sexta-feira de novembro de 1869 com um dialogo entre Camilo e Rita. Camilo nega-se veementemente a acreditar na cartomante e sempre desaconselha Rita de maneira jocosa. A cartomante está caracterizada neste conto como uma charlatã, destas que falam tudo o que serve para todo mundo. O problema é que logo depois da visita a cartomante, Camilo recebe uma carta anônima que o acusa da traição. Mesmo hoje não se sabe quem teria enviado a carta, e que possivelmente teria contado a Vilela sobre Camilo e Rita. O final surpreende.

2 comentários:

  1. Faz tempo que não leio Machado de Assis. O último que li foi Helena. Mas um dos meus preferidos foi Memórias Póstumas de Brás Cubas. Fiquei curiosa a respeito desse conto A Cartomante. Acho que nunca li. Bjinho!

    ResponderExcluir
  2. Ah, ele era e ainda é maravilhoso! O que desencoraja a ler seus textos é a linguagem bastante difícil e arcaica(que na minha opinião dá uma elegância sem tamanho aos escritos).
    Adorei o texto!

    Beijos.

    Mariana Sampaio
    Blog Tijolinhos de Papel

    ResponderExcluir