6.12.11

Resenha: Eragon

Quando Eragon encontra uma pedra azul polida na cadeia de montanhas nas proximidades de sua cidade, não imaginava que aquela pedra poderia mudar seu destino para sempre. Assim começam as aventuras de Eragon e seu dragão Saphira, que saiu do ovo encontrado pelo rapaz.

O jovem Christopher Paolini assina a obra, tendo começado a escrever desde os 15 anos. Percebe-se o talento notável do autor neste romance de estréia que ganhou uma adaptação para o cinema pouco tempo depois, porém juntamente com isso, é notável o nervosismo inicial e, talvez, uma pequena falta de acompanhamento, que poderia ter melhorado ainda mais a composição da obra.

A adaptação, por conseguinte, não foi bem realizada, pois possui inúmeras falhas em relação ao livro. Então, ao invés do filme impulsionar a obra, acabou por provocar certo esfriamento por parte daqueles que ainda não conheciam o livro. Personagens como Brom, Durza, Arya e Roran estão totalmente descaracterizados do que realmente são no livro, para não falar em falhas abertas no roteiro, que impedem até mesmo uma continuação adequada, como vemos nos livros.

Eragon foi inicialmente chamado de “o primeiro livro da trilogia da herança”, mas com a publicação de Brisingr - último livro da série a ser lançado - vemos que o que deveria ser uma trilogia passou a ser o chamado “ciclo da herança”. Por isso, a minha crítica inicial de que, mesmo sendo jovem, o autor deveria ter tido um cuidado maior na composição da obra como um todo. Nada que prejudique o andamento dos livros, uma vez que todos são de uma leitura extremamente agradável.

O livro um, o qual nós estamos dando foco, conta a história de Eragon e seu encontro com Saphira. Relata o surgimento de uma amizade além da compreensão humana, e de como, Cavaleiro e Dragão, percebem que precisam completar suas vidas através do outro. Eragon passa a ser treinado por Brom, um simples contador de histórias de sua cidade, mas que logo se revela uma pessoa sábia e experiente, tendo vivido muitos dias de glórias e lutas. Também relata a tentativa de Eragon em salvar Arya, uma elfa que é mantida presa por Durza, um feiticeiro que recorreu de magias obscuras para torturar espiritos ao seu favor, tornando-se assim um Espectro.

Guiado por Brom, ele também busca o apoio dos Varden, que são os povos livres da Alagaësia, em sua luta contra o tirano Galbatorix, um também Cavaleiro de Dragão que governa o Império. Esses Varden habitam nas cavernas das montanhas Beor, juntamente com os anões que ali residem. Ajihad, líder dos Varden, percebe em Eragon a esperança dos povos livres e oferece ao garoto o refúgio das terras protegidas. Ajihad percebe que Eragon pode equilibrar a balança que outrora pendia para o lado de Galbatorix. Começa então uma luta por poderes: De um lado, Galbatorix, Durza e outros seres maléficos; do outro, Eragon, Brom e os Varden.

Eragon é um livro fascinante, que explora tudo o que uma boa fantasia deve ter. A criatividade do autor para imaginar coisas novas, e também para adaptar as já existentes ao seu universo, torna-se evidente conforme avançamos pelas páginas do primeiro livro.  As centenas de palavras originais em idiomas criados por Christopher é uma grande prova de que ainda ouviremos falar muito deste jovem autor.

3 comentários:

  1. Só li o primeiro, mas amei ! O texto é demais

    Bjs
    http://maviealeatoire.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto muito dessa série. Recentemente o último livro foi lançado... agora estou só na espera :D

    ResponderExcluir
  3. Anônimo5.3.12

    achei muito legal o filme e vale apena ver

    ResponderExcluir