12.3.12

A Garota Americana, Meg Cabot

   Samanta Madison não é uma típica garota americana. Não é vaidosa e popular como sua irmã mais velha Lucy, e nem tão inteligente como sua irmã mais nova Rebecca, o gênio da família. Todas suas roupas são tingidas de preto e seu hobby é desenhar. Meg Cabot descreveu a protagonista como um traço especial dentro do que é trivial. Apesar da vida 'mais ou menos' que Sam tem, ela está sempre cheia de opinião e atitude que a tornam tão singular.
   Mas a estória tem seu ponto alto quando a vida dela vira de cabeça para baixo. Os pais dela mandam-na para uma aula de desenho após ser pega vendendo desenhos de famosos para suas colegas de escola. Sim, isso foi um castigo. E além de ser forçada a frequentar a aula, Sam não gosta de primeira da professora, que somente critica os trabalhos dela.
   Então um dia Samanta 'cabula' aula. Espera sua carona ir embora e vai para uma loja de cds por perto. Nem imaginaria ela que esse seria um dia marcante em sua vida. Acontece que dentro dessa mesma loja, um homem tenta atirar em outro. Sam se joga no atirador e protege o alvo, que por acaso trata-se do presidente dos Estados Unidos. Então, a esquecida Samanta Madison torna-se 'a garota que salvou o presidente', e tudo muda.
    É uma narrativa leve e cômica no tom certo. Sam tem essa mania de fazer listas, o que é divertido e dá uma  certa dinâmica ao enredo. E, para não dizer que não falei de amor, a heroína também tem seus dramas românticos. Ela nutre uma louca e proibida paixão pelo namorado da irmã Lucy. Jack é um revolucionário rebelde, assim como ela. Mas de repente Sam encontra conforto na companhia do filho do presidente, que por nem tão por acaso frequenta a mesma aula de desenho que ela. David não é Jack, mas é irônico e divertido, e existe toda essa pressão para eles ficarem juntos, por causa da estória do salvamento.
   A garota americana é diferente de tudo que já li da Meg. Ele é a minha 'menina dos olhos' (rs), porque traz uma garota tão diferente, mas que é muito identificável. Sam é uma heroína por acidente e rebelde sem causa. Sempre com essa personalidade relativa, mas muito fixa, muito própria dela.

3 comentários:

  1. Amo os livros da Meg, não li todos, mais os que li já são suficientes para fazer eu me Apaixonar, minha personagem preferida é Suzanna da série A Mediadora.
    Adorei a Resenha.
    Beijokas
    Brih
    Meu Livro Rosa Pink

    ResponderExcluir
  2. Oinnn, eu tenho o livro aqui em casa já há um tempão e ainda não li, vou ver se leio agora ja que parece ser bom!

    Vanessa - Balaio

    ResponderExcluir
  3. Oi Mallú!
    Adorei sua resenha! Tenho muita vontade de ler esse livro!

    Beijos, Kamila

    http://vicio-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir