1.9.12

Aos pequenos detalhes



    Há algum tempo atrás, quando um beijo significava compromisso sério, beirando ao casamento, os detalhes eram mais apreciados. Um toque de mãos era surpreendente, como que uma ligação especial entre um homem e sua amada. E o beijo... Há, o beijo. Era a consumação do relacionamento. Quase que uma lua de mel.

    Hoje beijo é desperdiçado nas noites da vida. Não se segura mais as mãos, não se faz mais passeios a luz do luar. Até o sexo já não é  mais o que era. Tudo isso costumava ser celebração de amor. Hoje é só um meio de  tentar completar o vazio do coração com o corpo. 
   E não me entendam mal, toda regra tem sua exceção. E um brinde a estas,  que por princípio são mais felizes. E não o são, realmente? Não está mais provado que o que se tem demais enjoa?
  Novamente, não me interpretem erroneamente. Há pessoas que não nos cansam com sua presença, ao contrário. Sempre melhoram tudo. Os momentos ruins, tristes. Melhoram até o melhor. Mas veja bem: entre mil e um beijos e um 'eu te amo', qual tem mais valor? Ambos tem o mesmo, você acha? Pois saiba de uma coisa: a verdade não precisa ser repetida aos quatro cantos. O que é verdadeiro assim permanece, mesmo que pronunciado uma única vez. E tolo de quem não acreditar.
   Pois que talvez nessa mesma época que citei no começo desse texto, houvessem casamentos arranjados e infelicidade dentro deles. Os casamentos atuais podem julgar-se melhores? O ponto não é esse. A questão é que quando nos valorizamos, então nos resta ao menos uma pequena felicidade. Se antes casavam-se sem amor, ainda havia respeito, havia o cortejo. Mulher tinha seu lugar e homem também, ainda que tais fossem extremamente restritos e desrespeitosos com o individualismo. Quem pode dizer que isso melhorou? Ainda se casa sem amor. Pois em ciúme doentio não há amor. Em relação que termina em divórcio e pensão alimentícia não há amor. Em namoro que termina por terminar também não há. Em 'ficar'... Nunca houve.
   Então, se todo dia é dia de comemoração, que hoje comemoremos os detalhes. Aos banhos de chuva, ao pôr do sol, ao dormir junto sem segundas intenções, às segundas intenções com as melhores intenções, ao pouco que significa muito, ao beijo que significa compromisso... E acima de tudo, ao amor. Porque é com o amor que os pequenos detalhes se tornam grandes.

2 comentários:

  1. Adorei seu Texto! Sim, hoje infelizmente o amor, AMOR, esta escasso. A preocupação hoje em dia não é em não achar a sua cara metade, mas sim em não ficar sozinho, e por isso muitas pessoas mergulham num relacionamento apenas para não se sentir só, e preencher o vazio interno por momento infimos de prazer, o carinho ingenuo, o roçar dos braços, e os sorrisos que revelam todo os carinho sentido um pelo outro estão em extinção. :(

    XX, Julie.
    http://apseudoescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu também adorei o seu texto, falou tudo, eu até o momento não sei o que é o amor em um relacionamento, o amor incondicional e verdadeiro que eu recebo são dos meus cachorros e dos meus pais, de resto é história para mim e eu que curto essas ficadas, então estou perdida kkkk
    Bjs,
    @PatriciaADavis

    ResponderExcluir